Património natural

Praias

Na base das arribas encontram-se pequenas enseadas e praias de areias brancas, águas cristalinas e tranquilas, abrigadas do vento norte e envolvidas pela magnífica vegetação da Arrábida.

Oliveiras milenares

Na estrada que liga Vila Nogueira a Vila Fresca, junto à Quinta Nova, encontram-se três oliveiras de grandes dimensões, classificadas como Monumento Natural devido à sua antiguidade (cerca de dois mil anos, segundo alguns especialistas).

Jardins

Entre os jardins, merece especial referência o da Bacalhoa, que serviu de modelo aos jardins portugueses dos séculos XVII e XVIII.
Também nas Quintas das Torres e de Santo Amaro e no Convento da Arrábida (junto à Capela do Bom Jesus) se encontram jardins com bastante interesse.

Reservas

A vertente Sul da Arrábida, virada para o mar, pelas suas condições de protecção, humidade e temperatura propicia condições para a conservação das espécies vegetais, de tal forma que, nos vales mais cavados e nas encostas abrigadas, espécies arbustivas como o folhado, a murta, a aroeira, o medronheiro, o carrasco, a azinheira, o zambujeiro ou o carvalho-cerquinho atingem dimensões verdadeiramente invulgares Todas estas espécies, com as estevas, rosmaninhos, alecrins e madressilvas, formam matas quase impenetráveis e de uma indescritível exuberância. Para que se preservem estas áreas onde a vegetação conserva características mais próximas das originais, três zonas – Mata do Vidal, Mata do Solitário e Mata Coberta – foram classificadas como reservas integrais. Aí, o acesso é interdito, destinando-se apenas à observação e estudos científicos.

Actividades de ar livre

A natureza, com os seus muitos contrastes, oferece-nos condições para a realização de inúmeras actividades de ar livre, como percursos pedestres e de orientação, cicloturismo, actividades equestres, desportos náuticos (natação, mergulho, remo, canagem, vela, windsurf) e desportos aéreos (asa delta, parapente, balonismo).
Mas, nas Terras de Azeitão, não é só a natureza no seu estado selvagem que nos surpreende e encanta. Também o que resulta da acção do Homem tem muito para nos oferecer.

He este sítio de Azeitão vistoso,
O mais alegre que conhece o mundo
Nas flores, de que abunda, o mais formoso,
Nos frutos que produz o mais fecundo

Esta é a forma como estas terras nos são descritas no Postilhão de Apollo e, ainda hoje, estas descrições têm comprovação quer nas actividades agrícolas, quer nos jardins das quintas de outros tempos.
As encostas a norte, que, até ao século XVIII foram coutadas de caça, deram lugar a terrenos de cultivo. As vinhas e a pastorícia encontram nos vales de Picheleiros, Alcube, Barris e nas Terras do Risco condições particulares para o seu desenvolvimento, estando na origem de dois dos mais importantes produtos da economia regional: o Moscatel de Setúbal e o Queijo de Azeitão.

Anicha

Testemunho do avanço do continente, é hoje um rochedo miocénico. Em seu torno, e no canal que a divide, existem diversas espécies de algas. A fauna marinha é também abundante pelo que esta área está declarada como Reserva Marinha.

Falésias

É na serra do Risco que se encontra um dos acidentes orográficos mais impressionantes da costa portuguesa. Depois de atingir os 380 metros de altitude no sítio do Píncaro, a encosta cai, abruptamente, sobre o mar, formando as mais altas falésias de Portugal (que alguns afirmam serem também as maiores da Europa).